quinta-feira, maio 15, 2008

Sem medo


De consciência tranquila. Sem medo do hoje ou do amanhã ou do ontem que não se evitou. Sem medo de errar porque errar é humano e é através do erro e da reformulação que crescemos, nos tornamos mais fortes e podemos um dia chegar bem perto da perfeição. Sem medo dos gestos e das palavras que saem por amor verdadeiro, gratuito e sem maldade. Sem medo de expressar o que vai na alma porque para a verdade tem de haver sempre espaço. Sem medo de bater a porta quando a solução é esta e não outra porque a vida fez-nos livres e quer-nos felizes e está nas nossas mãos a construção desta felicidade e contribuirmos positivamente para a realização daqueles que partilham as suas vidas connosco. Sem medo de expressar um sentimento nobre através de palavras e gestos, de revelar a dificuldade de uma perda, de pedir ajuda quando nos falta o ar ou pedir que alguém acenda uma luz quando as trevas e a escuridão nos impede a coerência. Sem medo de assumir um fracasso fruto das nossas próprias mãos ou vítima de uma conjuntura desfavorável. Sem medo. Sem medo. Sem medo.

1 comentário:

Eduardo Aleixo disse...

Sem medo. Gostei.

Eduardo Aleixo

http://ealeixo.blogspot.com