quarta-feira, setembro 26, 2007

Porquê?


Um dia perguntei e disseram-me que a terra é redonda porque sim, que o céu e o mar são azuis porque sim e que a chuva existe porque sim.

Perguntei porque é que uma mesa é uma mesa e não uma cadeira ou um trelado ou guifote ou nalitu e disseram-me somente porque sim.

Perguntei porque sentimos um aperto no peito quando vemos o amor da nossa vida, porque nos dói a barriga quando estamos nervosos ou porque sentimos um nó na garganta num momento de ansiedade. Porque sim, disseram convictos, crentes que com isto ficaria satisfeita. Mas não fiquei...

Ainda hoje não sei porque é que a lua se colou ao nosso planeta terra, porque é que a água do mar é salgada ou porque é que o vento só se pode sentir e não se pode cheirar ou ver ou provar. Temos na algibeira uma meia dúzia de respostas prontas a sair, que sabemos poderão calar a boca do curioso, deixando-nos sempre numa posição confortável, de quem não assume uma lacuna, um desconhecimento. Resta a liberdade de uma imaginação fértil, não saciada, que vagueia e encontra as suas próprias respostas, explicações. Inventam-se novos códigos de comunicação, em que o lápis perde a sua identidade de lápis para renascer acrone ou a tesoura fruido. E porque não? Descobertas parecem já estar todas as palavras que precisamos, mas isso não é razão que chegue para abandonar este desafio de reinventar a língua, repensar o mundo.

O universo dos mais pequeninos é de facto fascinante.

1 comentário:

Algodona Doce disse...

Adorei o texto!
Realmente nunca deixamo-nos de perguntar os porques de ser assim e não de outra maneira... teremos sempre questoes, e por mais que procuremos as suas respostas nunca as vamos encontrar...